Beat III

16 12 2008

A necessidade de ficar num só sítio, mexer-me o menos possível, concentrar-me na escrita, obriga-me a ser levado para todo o lado pelo trabalho, Tripalium, Trabalho, Castigo, a deixar-me levar para conseguir manter o lugar para onde possa voltar —

é a luta para me manter, a luta para poder voltar ao lugar protector onde só os meus fantasmas me conseguem alcançar, onde só os meus fantasmas são a única companhia que quero e preciso —

e a única pergunta que me ocorre é

“Para que é que vale a pena?”,

se quando volto mal me consigo aguentar e tenho logo que sair de novo para ir correr a corrida sem sentido a que tento fugir mas que, se dela fujo, não tenho para onde voltar, não tenho as minhas estantes e as minhas páginas amarelecidas e a minha mesa e cadeira com a madeira a lascar que gravam baixos relevos de linhas cruzadas nos meus braços em que me apoio na escrita —

mas a pergunta de Picarus continua a ecoar nas paredes da minha cabeça

“Para que é que vale a pena?”,

sabendo que a resposta é outra pergunta

“Para quê?”

que, no desdém do seu tom, responde já à primeira e à segunda com uma indiferença de costas voltadas e ouvidos desinteressados.

Anúncios

Acções

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: